Agentes Econômicos do Turismo
São considerados agentes econômicos do turismo: os turistas, os excursionistas, as empresas turísticas e os estabelecimentos turísticos (hospedagem, alimentação, serviços).

Atrativo Turístico
É todo lugar, objeto, infraestrutura (peculiar), equipamento ou acontecimento de interesse para o turismo.

Atrativos Cênicos
A paisagem deve ser compreendida como um atrativo na medida que esta se destaca das paisagens do dia-a-dia do visitante. Assim sendo, um acidente geográfico, como por exemplo, uma escarpa como a da Chapada dos Guimarães ou Diamantina, como também uma bucólica paisagem de uma vila de pescadores à beira mar ou de agricultores no meio rural, podem vir a ser componentes do produto turístico.

Atrativos Culturais
Os atrativos culturais contemplam obras e ações realizadas pela atividade humana em determindada região, assim como sua festas, costumes, folclore e artesanato, saberes e fazeres tradicionais.

Atrativos Naturais
Os principais atrativos naturais variam de região para região, mas sempre contemplam aspectos da flora, fauna, formações geológicas, corpos d’água em todas suas manifestações e da atmosfera, cujas variações são sentidas na pele.

Demanda Efetiva
É a quantidade de bens e serviços turísticos efetivamente consumidos em dado período de tempo.

Demanda Potencial
É a quantidade de bens e serviços turísticos que podem ser consumidos, face a determinado nível de oferta e à existência de fatores facilitadores de acesso e incentivo ao consumo.

Demanda Turística
É a quantidade de bens e serviços turísticos consumidos por empresas e/ou famílias, dado o nível de renda, os preços e as necessidades dos consumidores ou usuários.

Ecoturismo (Marco Legal / Política Nacional de Ecoturismo)
Em agosto de 94, quando da definição das diretrizes para o programa nacional, conceituou-se: "Ecoturismo é um segmento da atividade turística que utiliza de forma sustentável o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista através da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações envolvidas."

Excursionista
Também conhecido como Turista Itinerante, excursionista é toda pessoa que se desloca individualmente ou em grupo para local diferente de sua residência permanente, por período inferior a 24 horas, sem efetuar pernoite.

Inventário de Oferta Turística
É o levantamento dos recursos turísticos de uma determinada região, visando a correta ordenação e exploração de território, de forma a otimizar a utilização de seus recursos naturais e da oferta turística em geral.

Melhores Práticas
São formas ótimas para executar um processo ou operação. São os meios pelos quais organizações e empresas líderes alcançam alto desempenho e também servem como metas para organizações que almejam atingir níveis de excelência.

Net Price / Preço Neto
Preço líquido, sem comissionamento para agências ou operadoras (eco)turísticas.

Oferta Turística ou Produto Turístico
É o conjunto de bens e serviços turísticos, atrações, acessos e facilidades colocados no mercado, à disposição de visitantes e turistas, em conjunto ou individualmente, visando atender suas necessidades, solicitações ou desejos.

Passarelas e Torres de Copada (Canopy Towers & Walkways)
São estruturas, associadas ou não, desenvolvidas para possibilitar e/ou facilitar o acesso para observação amadora contemplativa (ecoturistas) ou de estudo (estudantes, profissionais, pesquisadores) de florestas ou segmentos florestais.

Patrimônio Cultural
Como bem ou patrimônio cultural pode-se inserir uma gama de costumes, produtos e atividades passados e presentes, valiosos pela significância de uma dada cultura e que dão identidade a uma região ou país. Consta de atrativos tais como paisagens, história, estórias e lendas, festas  populares, e de bens materiais como arte, arquitetura, artesanato, sítios arqueológicos, edificações representativas como conjuntos históricos, monumentos, museus, etc, testemunhos da vida passada e presente de comunidades.

Patrimônio Natural
Como patrimônio natural pode-se denominar os recursos dos biomas,  ecossistemas e sua biodiversidade, considerando-se as interrelações entre eles, seu dinamismo e potencialidades, que foram modificados ou não pelo homem, mas que formam a base de sustentação do planeta. Podem ser as paisagens, as formações rochosas, os acidentes geográficos (canyons, cachoeiras, cavernas, escarpas, etc), os corpos d’água, a fauna, a flora e o clima regional.

Pax
Redução de "Passenger" (Passageiro).
Termo internacional que significa passageiro, cliente, turista, etc.

Pólo Turístico
É o conjunto de atividades turísticas matrizes que criam efeitos atrativos sobre outros conjuntos definidos no espaço econômico e geográfico. Tal conjunto de atividades turísticas são capazes de aumentar o produto, modificar as estruturas e favorecer o processo econômico em um espaço determinado.

Preço Neto / Net Price
Preço líquido, sem comissionamento para agências ou operadoras (eco)turísticas.

Preço Balcão / Rack Price
Preço bruto, com comissionamento para agências ou operadoras (eco)turísticas.

Rack Price / Preço Balcão
Preço bruto, com comissionamento para agências ou operadoras (eco)turísticas.

Recursos Turísticos Culturais
São os recursos que resultam do desenvolvimento das atividades humanas e compreendem o conjunto de manifestações culturais, materiais ou espirituais de um local, região ou país, identificados ou qualificados como de valor e/ou de interesse para uso turístico.

Recursos Turísticos Naturais
São os recursos que estão distribuídos no espaço geográfico e que constituem aquilo que se convencionou chamar paisagem, identificados ou qualificados como de valor e/ou de interesse para uso turístico.

Torres e Passarelas de Copada (Canopy Towers & Walkways)
São estruturas, associadas ou não, desenvolvidas para possibilitar e/ou facilitar o acesso para observação amadora contemplativa (ecoturistas, turistas) ou de estudo (estudantes, profissionais, pesquisadores) de florestas ou segmentos florestais.


Atividades Turísticas

Balonismo 
Ballooning
No Brasil, a idéia de voar em um balão de ar quente data de 1.709, ainda na época de Dom João VI. Desde então os balões passaram por uma enorme evolução e hoje este esporte aéreo é considerado pela Federação Aeronáutica Internacional como um dos mais seguros do mundo. Um balão médio mede em geral 26 m de altura, leva 2 ou 3 pessoas tendo uma autonomia de 2 a 3 horas de vôo. O balão é constituído de um envelope de tecido anti-chamas, dois maçaricos alimentados por gás propano que aquecem o ar insuflado dentro do mesmo. Os equipamentos de navegação são constituídos de altímetro, bússola, rádio transmissor, sonda de temperatura e variômetro.

Bóiacross Aqua Ride
Esta modalidade de esporte consiste em descer corredeiras de rios em uma "bóia" inflável (em geral câmaras pneumáticas utilizadas em caminhões). O esporte que nasceu de uma brincadeira de crianças, vem se tornando cada vez mais conhecido e procurado pela emoção. Os equipamentos de proteção utilizados são capacete e colete salva-vidas, sendo que tênis e caneleiras ajudam nos inevitáveis choques com as pedras.

Caminhada Hikking / Trekking
Tido como um dos costumes mais antigos da humanidade, o caminhar ganhou novo valor, adeptos e até mesmo novos nomes. Apesar de não exigir nenhum equipamento especial, para uma boa caminhada são imprescindíveis: tênis ou botas confortáveis, mochila proporcional à duração ou motivo da caminhada, lanches balanceados, protetor solar, repelente e o mais importante: água. O trekking em geral envolve percursos mais longos e/ou pernoite. Uma variação mais leve e curta da modalidade consiste no Hiking.

Canyoning / Cachoeirismo Canyoning
O Canyoning sempre foi utilizado como uma das técnicas de escalada para exploração de canyons e cavernas. Porém, ultimamente foi adaptado para cachoeiras e é considerado um esporte (radical). O Canyoning basicamente consiste em descer uma cachoeira e os equipamentos utilizados são o cabo, a cadeirinha, capacete, freio para corda, mosquetões e um par de tênis ou de sapatilhas de escalada para proteção contra a parede da cachoeira.

Escalada Climbing
A escalada consiste em partir da base de uma rocha vertical (ou quase vertical) e atingir o seu topo ou um ponto pré-determinado, utilizando para isto a força dos braços e das pernas, em uma série de técnicas que tornam a tarefa o menos árdua possível. Quando se escala uma via (rota em uma montanha ou morro) utilizam-se os grampos já fixados pelos desbravadores da via. Neste esporte é exigido muita força muscular, principalmente nos dedos e braços, também é preciso muita concentração nos movimentos para que não haja riscos de acidentes. Quando se escala em grupo, o primeiro indivíduo vai fixando a corda nos grampos existentes e "encordando" a si próprio e aos demais, de maneira a evitar quedas, no caso de se perder a fixação na rocha. Uma boa prática é o uso de capacete, para evitar ser atingido por pedras que se desprendem. Os demais equipamentos são o cabo, sapatilhas de escalada, carbonato de magnésio (para melhor fixar as mãos), mosquetões, cordins, etc.

Espeleoturismo Caving
Do grego: spéleos, 'caverna'. Estudo e exploração das cavidades naturais do solo tais como: grutas, cavernas, corpos d’água subterrâneos, fontes, etc.

Mergulho Livre (Apnéia) Snorkeling
O mergulho é um esporte que nos leva para um mundo subaquático. Ele pode ser praticado na modalide “livre” ou apnéia, necessitando apenas de um snorkel (tubo de respiração), nadadeiras e máscara.

Mergulho Autônomo Scuba Diving
A modalidade “autonomo” ou scuba diving requer o cilindro de ar comprimido, relógio, e dependendo da temperatrura da água, roupa de neoprene, luvas e uma série de outros equipamentos/acessórios.

Rafting Rafting
Esta modalidade é praticada por um grupo de pessoas em um bote inflável e consiste em descer as corredeiras de um rio. A capacidade do bote depende do grau de dificuldade do mesmo: quanto mais perigoso, maior o bote, o que o torna teoricamente mais "estável". Os equipamentos de segurança utilizados são o capacete, colete salva-vidas, tênis e caneleiras ajudam nos choques com pedras.

Rapel Rappelling
O Rapel, bem como o Canyoning, também é uma técnica de descida em escalada, mas ultimamente também está sendo considerado um esporte. Este esporte consiste em descer uma parede de rocha vertical, preso por uma corda no topo da mesma. Normalmente para se fazer o rapel é necessário uma escalada. Os equipamentos necessários são o cabo, cadeirinha, mosquetões, freio para a corda, cordins, sapatilhas de escalada, fitas tubulares, capacete, entre outros.

Trekking / Caminhada Trekking / Hiking / Walking
Tido como um dos costumes mais antigos da humanidade, o caminhar ganhou novo valor, adeptos e até mesmo novos nomes. Apesar de não exigir nenhum equipamento especial, para uma boa caminhada são imprescindíveis: tênis ou botas confortáveis, mochila proporcional à duração ou motivo da caminhada, lanches balanceados, protetor solar, repelente e o mais importante: água. O trekking em geral envolve percursos mais longos e/ou pernoite. Uma variação mais leve e curta da modalidade consiste no Hiking.


Tipos / Segmentos Turísticos


Segmentação Turística
É a distribuição do mercado em grupos homogêneos em função de algumas características que identificam seus componentes e usuários.

Turismo Aventura
Programas com conotação de desafio, com viagens e “expedições arrojadas”, na maioria das vezes para adultos, envolvendo viagens arrojadas e imprevistos.  Atividades: Escaladas, Espeleologia, Jeep Safaris, Etc.

Turismo Cultural
Programas direcionados a participantes interessados em conhecer costumes de determinado povo ou região. Atividades: Arte, Dança, Gastronomia, Etc.

Turismo de “Bem-estar”
Programas elaborados para aperfeiçoar ou equilibrar as condições físicas ou espirituais de um indivíduo ou grupo de pessoas. Atividades: Yoga workshops, Clínicas de Desintoxicação, Spas, Etc.

Turismo de Estudo
Programas para aprendizado, treinamento ou ampliação de conhecimentos in situ, envolvendo professores e seus alunos com profissionais locais. Atividades: Antropologia, Botânica, Educação Ambiental, Zoologia, Etc.

Turismo de Incentivo
Programas para empresas ou organizações, com o intuito de motivar ou premiar funcionários ou equipes quando metas de produção ou qualidade são atingidas. Atividades: Cruzeiros, Jeep Safaris, Etc.

Turismo Esportivo
Programas específicos para a prática de atividades esportivas por amadores ou profissionais. Atividades: Alpinismo, Canoagem, Canyoning, Golfe, Mergulho Autônomo, Pescaria, Windsurfe, Etc.

Turismo Profissional
Programas que permitem a profissionais um contato direto com a temática que professam, onde podem ampliar ou trocar conhecimentos com outros profissionais. Atividades:Botânica, Fotografia, Ornitologia, Silvicultura, Etc.

Turismo Rural
Evolução do turismo dos hotéis-fazenda, trata-se de uma modalidade de turismo que recupera e utiliza antigas tradições culturais com atividades do cotidiano rural tais como: hortas naturais sem agrotóxicos, ordenha e manejo de gado, cavalgadas, gastronomia regional, costumes culturais, etc.

Turista
É a pessoa que se desloca para for a de seu local de residência permanente, por mais de 24 horas, realizando pernoite, por motivo outro que o de não fixar residência ou exercer atividade remunerada, realizando gastos de qualquer espécie com renda auferida for a do local visitado.

Turista Internacional
É a pessoa residente em determinado país, independente de sua nacionalidade, que se translada a outro(s) país(es), por diferentes motivos que não sejam o de exercer atividades remunerada ou fixar residência e cuja visita seja por período inferior a um ano (Embratur).

Turista Nacional
É a pessoa residente no país, independente de sua nacionalidade, que se desloca a um lugar dentro do país, distante do seu local de residência permanente, por mais de 24 horas, realizando pelo menos um pernoite, e que não exerce, no lugar visitado, qualquer atividade remunerada  (Embratur).

 

Colabore!
Envie sugestões para o glossário turístico pelo email assistente@mosaicobocaina.org.br.